(Foto: Reprodução)

Ao ligar a TV e sentar no sofá, a certeza que o Bahia sairia com o caneco era tão grande que havia quem prometesse loucuras caso o Tricolor de Aço perdesse do Internacional. "Se o Bahia perder hoje, viro Vitória", garantiam os destemidos.

A razão de tanta certeza não era baseada apenas na confiança no Esquadrão liderado por Charles e Bobô, mas sim no fato de que o jogo em questão ter acontecido 31 anos atrás, em 1989 - sim, apesar de constar o ano de 1988 no troféu, o jogo decisivo foi realizado em fevereiro do ano seguinte.

Mas nem a certeza do resultado, gravado na memória de qualquer tricolor que se preze, desanimou a torcida na reprise transmitida pela TV Bahia na tarde deste domingo (17). Há dois meses sem acompanhar um jogo ao vivo do clube do coração, recaiu ao embate mais marcante da história do Tricolor abrandar a saudade dos torcedores.

Como o resultado foi 0x0, o suficiente para o Bahia colocar mais uma estrela no peito, a comemoração ocorreu apenas no fim do jogo. Foi só Dulcídio Vanderlei Boschilia dar o último apito que a torcida quarentenada soltou o grito de é campeão nas janelas das casas e apartamentos de Salvador.

Até fogos de artifício, buzinas e vuvuzelas foram usados na comemoração em diversos bairros, a exemplo de Imbuí, Cabula, Rio Vermelho e Vale das Pedrinhas, onde houve queima de fogos. Do outro lado, os rubro-negros tentavam se fazer notados. Houve até um que gritou "bora cambada de abestalhados", mas foi imediatamente abafado pelos gritos de "bora Baêa minha porra!".

Veja alguns vídeos da comemoração: