Sábado, 05 de Dezembro de 2020
(71) 99663.6360
Geral Leonardo Rodrigues

Medalha Pierre de Coubertin

Compartilhe nosso artigo em sua rede social ou envie no WhatsApp

30/10/2020 10h40
Por: Maryane Meira Fonte: Leonardo Rodrigues
Reprodução
Reprodução

Estamos de volta para trazer mais algumas curiosidades sobre as Olimpíadas! Nesse texto nós vamos falar um pouco sobre a Medalha Pierre de Coubertin, você se lembra desse nome? Pois bem, como eu contei em outro texto, Pierre de Coubertin foi o criador dos Jogos Olímpicos Modernos, lá no finalzinho do Século XIX e, apesar de não ser lá um grande exemplo de olimpismo, foi homenageado com o nome nesta medalha totalmente de ouro, que apenas 21 pessoas receberam em toda a História.

Mas, afinal, o que é esta medalha? Ela é uma honraria concedida pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) para atletas, ou pessoas relacionadas ao esporte, que, de alguma forma, demonstram um grande Espírito Olímpico. Isto é, que apresentam qualidades morais e éticas, bem como um grande espírito esportivo em momentos difíceis ou inusitados.

Ainda está confuso? Vamos a alguns exemplos!

Em 1988, nos Jogos de Seul, na Coréia do Sul, o canadense Lawrence Lemieux estava em segundo lugar na prova de Vela, classe Finn, quando notou que dois velejadores que disputavam outra prova, da classe 470, tiveram seu barco virado. Lawrence abandonou suas chances de receber uma medalha olímpica para resgatar os velejadores em apuros. Todos saíram bem daquela situação, mas o canadense nem sequer subiu ao pódio, entretanto, por sua atitude e espírito esportivo de abandonar o páreo para ajudar os colegas que precisavam de ajuda, o COI lhe concedeu a Medalha Pierre de Coubertin.

Esta honraria apenas começou a ser concedida no ano de 1964, quando ocorreram os Jogos Olímpicos de Inverno de Innsbruck, na Áustria. Neste ano, durante a competição de bobsled, o italiano Eugenio Monti ficou sabendo que o trenó dos adversários ingleses tinha quebrado. Então, ele ofereceu aos britânicos o seu próprio trenó. Acontece que, ao final da competição, Eugenio garantiu o bronze e os campeões foram Anthony Nash e Robert Dixon, a dupla inglesa, que competiu com o trenó emprestado pelo italiano. Ao ser perguntado sobre o acontecido, Monti disse: “Nash não venceu porque dei meu trenó a ele, ele venceu porque foi mais rápido”.

Porém, não foi apenas a partir de 1964 que o espírito esportivo estava presente nos Jogos Olímpicos, então, o COI concedeu também algumas medalhas para atletas que comprovaram seu olimpismo anteriormente.

Dentre eles, quero destacar dois: Emil Zatopek, o único corredor que conquistou a medalha de ouro nas provas de 5 mil metros, 10 mil metros e na Maratona em um mesmo ano! Ele foi responsável por mudar a forma como se treinava para as competições de corrida;

E Luz Long, um alemão, que, em 1936, na Berlim nazista, durante a semifinal da competição de salto em distância, aconselhou o seu adversário, Jesse Owens, norte-americano e negro, acalmando-o, para não queimar o seu terceiro salto e ser desclassificado da prova. Mais tarde, naquele dia, Luz Long terminou a competição com a medalha de prata e Jesse Owens não só conseguiu passar para a final como venceu a competição e tornou-se o primeiro atleta a conquistar quatro medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos de Verão. Essa passagem é retratada no filme “Raça”, que conta a história de Jesse Owens, se você gosta de filmes biográficos, vale a pena assistir.

Alguns dos honrados com a Medalha Pierre de Coubertin não são atletas, como o Ex-Presidente da Áustria, Franz Jonas, o jornalista canadense, Richard Garneau e o artista chinês, Han Meilin, que tiveram suas carreiras reconhecidas como importantes para o esporte de maneira geral.

Por enquanto, ainda há apenas uma mulher nessa lista, Elena Novikova-Belova, uma ex-esgrimista soviética. Ela conquistou, ao todo, 6 medalhas olímpicas, e foi a primeira mulher a conquistar 4 medalhas de ouro na esgrima. Em 2007, 20 anos após encerrar sua carreira, recebeu do Comitê Olímpico Internacional a Medalha Pierre de Coubertin, pelos grandes serviços prestados ao Movimento Olímpico.

E, para finalizar nossos exemplos, há, dentre todas as 21 pessoas que possuem uma Medalha Barão de Coubertin, 1 brasileiro. Seu nome é Vanderlei Cordeiro de Lima. Se você ainda não está lembrando, eu ajudo! Na Maratona dos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004, Vanderlei estava liderando com vantagem sobre o segundo colocado, e já se aproximava da linha de chegada. Faltando menos de 7km para o fim da prova, o maratonista brasileiro foi atacado por um ex-sacerdote irlandês, que o agarrou e derrubou no chão. Mesmo com o espanto e a interrupção, Vanderlei se levantou e continuou a correr, mas, por conta da interrupção, acabou chegando na terceira colocação. Em nenhum momento ele reivindicou a medalha de ouro para si e por demonstrar tamanho espírito esportivo e força para se levantar e continuar na corrida, a ele foi concedida a Medalha Pierre de Coubertin.

Espero ter explicado o que é esta medalha tão rara no universo Olímpico e trazido várias curiosidades e histórias interessantes para vocês! Nos encontramos novamente no próximo mês, até lá!

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Leonardo Rodrigues
Sobre Leonardo Rodrigues
Carioca da gema e baiano de coração, é estudante de Educação Física, reside em Praia do Forte. Escreve uma vez por mês.
Mata de São João - BA
Atualizado às 14h24 - Fonte: Climatempo
31°
Muitas nuvens

Mín. 23° Máx. 31°

33° Sensação
21 km/h Vento
53.1% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (06/12)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 31°

Sol com algumas nuvens
Segunda (07/12)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 22° Máx. 31°

Sol com algumas nuvens
Ele1 - Criar site de notícias