Segunda, 01 de Março de 2021
(71) 99663.6360
Entretenimento Salvador

Festa Literária do Subúrbio celebra a produção preta e periférica

Primeira edição da Flisu conta com Lázaro Ramos, Conceição Evaristo e Carla Akotirene

18/02/2021 11h07
Por: Maryane Meira Fonte: Correio 24h
Reprodução
Reprodução

Celebrar a literatura suburbana marginalizada é o principal objetivo da 1ª Festa Literária do Subúrbio, que acontece nos dias 26 e 27, com programação gratuita e virtual transmitida pelo YouTube. Lançamentos de livros, rodas de conversa, palestras e intervenções artísticas fazem parte do evento que conta com a participação de Lázaro Ramos, Conceição Evaristo e Carla Akotirene. 
 
“A gente que celebrar a nossa literatura suburbana, preta e periférica. As pessoas enxergam o Subúrbio como uma área distante da cidade, mas não enxergam a pluralidade que habita esse local. Fazer essa Flisu para chamar de nossa é ampliar essa lente para a sociedade e mostrar que o Subúrbio faz literatura, faz arte e tantas coisas que nutrem o Brasil”, destaca o ator, poeta e curador Fábio de Santana, 37 anos. 
 
Responsável por conduzir alguns dos bate-papos da Flisu, Fábio conta que o que guiou a programação foi “a excelência do trabalho que essas pessoas desenvolvem”. “Existem potências que precisam ser descobertas. Temos essa diversidade no Subúrbio, queremos colocar todas e todos para brilhar. A curadoria teve esse cuidado de colocar essas estrelas”, explica Fábio. 
 
Entre os destaques da programação, estão a mesa de abertura de Conceição Evaristo, às 10h30, e a roda de conversa Estética Suburbana e Representatividade, que acontece às 13h30. Nesta, Leandro Vilas Verde e Sérgio Vaz conversam sobre as narrativas de escritores “que contribuem para revelar um subúrbio, vivo, latente e visceral”. 
 
Outro destaque do dia 26 é o encontro entre Lázaro Ramos e Carla Akotirene, às 15h30, no bate-papo Literatura e Identidades: por uma estratégia de libertação, mediado pelo professor e poeta Jairo Pinto. No mesmo dia, a Flisu realiza um sarau com vários representantes da cidade, como o Sarau da Onça, o Sarau do Cabrito e o Sarau do Bêco. 
 
Nelson Maca, Cássia Vale, Landê Onawale e Juraci Tavares também estão no evento que inclui pessoas com forte relação com o Subúrbio. “A marca da programação é o protagonismo”, explica o curador do evento. “A gente que sair da plateia dos principais festivais literários e ir para o palco e produzir também. Estar na plateia não é ruim não, mas queremos ocupar todos os espaços”, defende Fábio. 
 
Celebrar a literatura insurgente é o grande objetivo da Flisu, reforça George Bispo, 35, coordenador geral do evento que também se propõe a dialogar “com o público não letrado”. “São as literaturas produzidas fora dos padrões, fundamentadas em outras ideias ligadas à narrativa oral, muito ligada às subalternidades, seja por questão de classe, questões étnicas, ou de origem geográfica”, explica George. 
 
A Flisu está em um território onde não se fala em carência, “mas em potencialidades que não são reveladas”, acrescenta o coordenador. O evento, portanto, busca de jogar luz para “essas insurgências da criação literária que está nas esquinas, nos muros, nas encruzilhadas e mostrar um pouco da beleza do Subúrbio que vai além da beleza geográfica”, ressalta. 
 
A ideia é ressignificar, “dar esperança, afeto e espelho” para a “juventude preta e periférica”, acrescenta Fábio. “Ao mesmo tempo, agradecer e reverenciar os mais velhos que abriram caminho para que hoje estivéssemos aqui, protagonizando”, continua. “A Flisu é um acalanto nesse momento difícil que estamos vivendo. A arte nos alimenta, é o que nos mantém vivos”, justifica. 

Serviço


Dias 26 e 27, horários variados. Transmissão no canal da Flisu no YouTube. Gratuito.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.